sexta-feira, 26 de junho de 2009

Requiescat In Pace!!!




Certa vez, há muito tempo, eu assisti a um filme em que se passou uma cena muito interessante.
Uma senhora era dona de uma grande propriedade, uma mulher refinada, de origem francesa, e que, tendo sua filha morta passou a cuidar da neta, praticamente desde que nasceu. Era a única família que ambas tinham.
Certo dia um de seus cães atacou a sua criação de galinhas, matando uma delas. A solução encontrada pela avó da menina para que o cão nunca mais fizesse aquilo, foi amarrar a galinha morta ao pescoço do animal, e ela só sairia de lá depois que sua carne, apodrecida, caísse por si só. A menininha ficou estarrecida com a frieza de sua avó.
Confesso que eu também fiquei apavorada em pensar que um cão tão lindo iria ficar com aquele cadáver pendurado em si, mesmo porque eu gosto muito de cães, e quem me conhece bem sabe que, na verdade, eu sou apaixonada por eles. Esses dias estive pensando a respeito disto. Esta cena não me sai da cabeça há pelo menos uma semana já.
De fato, foi cruel a atitude da senhora, porém, mais do que isto, foi sábia, apesar de dolorosa a via. Simplesmente porque o cachorro continuaria a matar galinhas se não sofresse a punição por seu ato instintivo, ele continuaria a fazer aquilo.
E me peguei pensando que a vida nos é aparentemente cruel da mesma forma. Quantas vezes fazemos algo e somos obrigados a conviver com o cadáver da lembrança do que fizemos?
E tantas outras, mais cruéis que as lembranças, são pessoas que não nos deixam fazer com que o passado fique para trás. Infelizmente, nesses casos, temos de dar o braço a torcer para a "velha" vida... E suportar o podre cadáver em nosso pescoço. Até o dia em que poderemos nos livrar dele. Só que somos humanos e podemos desamarrar a corda que ata tal morte de nós outros. E aprender a lição, antes que o cadáver fique putrefato. O passado não torna, é verdade.
Mas, as consequências daquilo que fazemos sempre vem. E, muitas vezes, mesmo quando o cadáver é retirado, o odor maléfico da cadaverina fica lá, incomodando... Resta-nos o banho!!!
Embora em nossos corações possamos fazer com que a ferida não doa mais, fica a cicatriz. Ainda que discreta, fica a cicatriz.
Talvez tenhamos de enfrentar tudo sozinhos, porém, se temos quem nos ajude a curar as feridas, é maravilhoso! No início dói. Porque o outro é que terá a coragem de jogar água com sal, quem vai esfregar, é quem trocará as ataduras... Quem, talvez, tenha de nos dar banho com suco de limão!
Este começo é doloroso, aparentemente cruel... Mas é necessário!!! Feridas pequeninas podem infeccionar e, em última instância, podem matar...
No caso, mata a alma... Mata os sentimentos, pode matar a felicidade, pode destruir sonhos e vidas inteiras. E o fim, qual será???
Por favor... Sepulte o cadáver que está em seu pescoço se você já aprendeu que não pode mais roubar as galinhas do quintal... E depois, vá tomar um banho purificante!!! Eu posso provar para você que dá certo... Querendo, é só conversar comigo que eu conto como se faz!!!
Se ainda não aprendeu, é hora de saber que tudo tem consequências reais. Mesmo que não se manifestem no mundo físico, são reais.
Tomara que disso tudo você faça um lindo Réquiem... A fim de que a posteridade tenha o prazer de reconhecer beleza em algo tão terrível quanto é a morte. E diga ao incômodo passado: Requiescat In Pace - Descanse em Paz!!!

Boa sexta para vocês, com o desejo de que reflitam bastante a respeito de suas vidas!!!
Beijos a todos!!!

quinta-feira, 25 de junho de 2009

Vou me afogar!!!





"Nem tanto ao mar, nem tanto à terra"...


Belo esse ditado... Diria até poético. Bom, e o que se pode dizer de seu enorme anseio pela boa medida das coisas? Boa medida... Isso que tantos procuram. Equilíbrio. em busca da cura para o novo "mal do século", o famigerado estresse. Palavrinha nova que denota que tudo está muito desequilibrado dentro de você.
Nossa! Ninguém mais pode se sentir alegre demasiado, nem triste... Está com problemas o pobre indivíduo!
Problemas tem, ao meu ver, a criatura que só vive com aquela cara de paisagem... Sabe como é? Então... Aquela cara daquele infeliz que já descobriu o que faz a pessoa ser o tempo todo tranquila...
Onde estará, minha gente, a deliciosa dialética? Sabe, aquela coisinha que muitos chamariam de antítese das coisas???

Pois eu digo que gosto MUITO de sorrir... E gosto MUITO de chorar também! Gosto MUITO da chuva, e dos dias em que não chove. Gosto do calor, porque me faz pensar que o inverno vai chegar.
Gosto de me sentir triste, porque sei que o próximo sorriso será mais gostoso ainda do que as lágrimas que verti. É delicioso saber que alguém no mundo não gosta de mim, e mesmo não me ama... Porque mais delicioso ainda é saber que há no mundo os que me amam. E há também os que amo.
Quão divino é estar num lugar fechado por horas a fio, e depois sair e, encantada, ver que o sol ainda brilha com todo o seu fulgor tendo como cenário um lindo céu azul... E que surpresa boa é sair de um ambiente iluminado por aquelas irritantes luzes brancas que nos empalidecem , e se deparar com um céu cheio de estrelas, ou com uma linda lua brilhando, majestosa, iluminando a noite com sua luz refrescante...

Como é legal, depois de muitos aborrecimentos no trabalho, depois de enfrentar gente grosseira, chata, indecisa, encontrar seu animalzinho de estimação sempre disposto a lhe agradar com seu amor e carinho incondicionais, e "sorrir" com suas brincadeiras inocentes.

É bom passar um período amargando a dor da solidão, e depois encontrar alguém que lhe espere, que lhe abrace, que lhe ame, com aquele sorriso que, por si só, já faz você sentir que tudo vale a pena...
Sabe, aquele abraço tão aconchegante? Dormir abraçadinho, acordar com uma chuva de beijinhos e, ao som de uma risada gostosa ouvir um sussurro ao pé do ouvido: "Amo você! Você é o amor da minha vida!" Meu Deus, que maravilha!!!
Dá para essa pessoa com cara de chuchu, gosto de chuchu ser feliz?

Então, tá... "Nem tanto ao mar, nem tanto à terra"... Dá para ser numa ilha?
E, quando enjoar da ilha, dá para ser lá em casa, ou na minha vida? E, se enjoar de mim, que tal ser na sua casa, na sua vida?
E se enjoar de nós dois, que tal experimentar irmos separados para o meio do nada, para sentirmos falta um do outro?

E, quando sentirmos saudade, começar tudo novamente?
Vamos lá!!! Deixa de ser tão equilibrado e sinta o que há na vida por sentir...
Lança sua vida ao mar, e quebre sua cabeça na terra... Nada mais chato do que viver suspenso no ar... Você não acha?




Faz um tempinho que eu escrevi o texto acima... Resolvi revisitá-lo a ver se ainda pensava deste modo... Quer saber?
Taí um fato que em mim não mudou: A vontade de fazer e ser feliz, e de viver os fatos e os sentimentos por inteiro.
Tomara que esta vontade me faça mudar sempre, sem que eu me esqueça de quem sou... E que esta seja também sua vontade, que sua vida seja mais do que uma perfeita operação aritmética!!!
Beijos a todos!!!

quarta-feira, 24 de junho de 2009

Não tenha medo... Estou aqui!!!



"O medo é a obliteração total da mente."
Do livro Duna - Frank Herbert

Tenho falado bastante aqui a respeito de mudanças. Que elas acontecem em diversas áreas, e que, muitas vezes, não acontecem em outras. Na verdade, o que não muda é a essência, sem a qual não somos nós mesmos, e as mudanças que ocorrem são parte do amadurecimento e da obtenção da sabedoria, e são inevitáveis.
Percebi, ao longo de minha vidinha, que o medo paralisa a gente, deixando-nos presos a situações que eu considero cadáveres putrefatos e incômodos, impedindo-nos, por certo tempo, que mudemos...
O conceito que melhor define morte - obliteração - é separação.
Morte é separação... Quando um membro de nosso corpo morre, é porque se separou, foi cortada a conexão de vida que havia nele, e ele deve ser amputado...
E o medo nos paralisa, corta as nossas conexões com a razão e nos faz ficar cegos diante de sentimentos.
Quero dizer no entanto que não adianta ter medo porque ele não evita que os fatos se sucedam.
Ele não impede que o sol se levante a cada manhã e que se ponha no fim do dia. Ainda acima das nuvens ele brilha e as estrelas estarão lá durante a noite.
Ainda que você não veja a vida acontece em cada canto, e as alegrias e as tristezas explodirão em todos os lugares. Em algum lugar do mundo, à revelia de seus medos e inseguranças, alguém agirá com coragem e determinação e dará um primeiro passo.
Um bebê sorrirá pela primeira vez, e um velho fechará seus olhos para sempre...
Gente! A vida não para por causa de nossos medos! E ele só mata a você mesmo, a ninguém mais do que você...
Deixa disso, criatura! Coragem!
Vamos tratar de viver e reverter aquela operação matemática da sua vida? Não é possível que você queira ficar debaixo de chuva eternamente, sabendo que pode tomar asas e voar além das nuvens, rumo ao sol... Eu hein...

Beijos a todos!!!

segunda-feira, 22 de junho de 2009

Matemática




"... No bilhete estava escrito: 'O Homem deu dízima periódica'".

Da peça Pássaro da Noite de José Antônio de Souza, interpretada por Luana Piovani


Fui gentilmente convidada por uma das pessoas mais corteses e agradáveis que já conheci, para assistir à Peça de Luana Piovani, em cartaz em Brasília neste último fim de semana. Nem tenho como dizer o quanto gostei!!! Tanto da peça quanto da companhia!!! Bom, mas eu gostaria de comentar a fala da personagem que citei acima... "O Homem deu dízima periódica."

Ontem eu falava justamente isto com meu diletíssimo amigo... Que, muitas vezes, as pessoas não se dão conta de que as pessoas não podem mudar o que são, apesar de haver pequenas e sutis modificações durante a vida, somos as mesmas pessoas. Eu serei Gabrielle, até o dia em que eu morrer... Pelo menos é o que gostaria. Claro que espero melhorar um pouquinho, se for possível... Tomara que os acontecimentos façam-me obter um pouco mais de sabedoria... Mas, muitas vezes percebemos que os fatos se repetem...

Já tiveram essa sensação? De que simplesmente não saímos do lugar? Que você pensa que mudou mas, simplesmente, nada muda? É a tal dízima periódica de que falava o tal professor em seu bilhete de despedida deste mundo cruel!
É impressionante como nos deparamos o tempo todo com isto! Como pode ser que situações e pessoas nos façam ficar eternamente presos em sentimentos que não gostamos de sentir... E ficamos lá... Infinitamente, como se em algum lugar, no tempo ou no espaço, algo fosse mudar....

Não muda! Uma hora ou outra você se dará conta de que é assim:
"O Homem deu dízima periódica", e você e sua vida também, meu querido! E, ao menos que você tome alguma atitude para acrescentar mais um número à sua conta, a fim de que na divisão não dê dízima, ela aparecerá... E você se verá em um círculo vicioso de sofrimentos e frustrações sem fim.

Então... Eu quero que minha vida não fique assim... Gostaria muito que na divisão de 2, eu obtivesse 1. E ponto! Que nada ficasse para vermos no que dá... Quantos anos mais poderíamos ficar contando casas depois da vírgula? Quantas vezes mais poderemos tentar?
O tempo foge... Voa em asas supersônicas, numa velocidade que nós humanos não podemos suportar...

Uma chance, duas, três... Mas, quantas vezes mais tentaremos e erraremos?
Será possível que deixaremos a vida passar? Na matemática dos tempos, o que podemos aprender desta operação é que a ordem dos fatos que se sucedem não altera o produto do que sentimos, mas pode ser que na sucessão das alegrias e das tristezas, você se dê conta de que o resultado não é bem o que você gostaria que fosse... Mas, TALVEZ, quem sabe, você sabendo contar novamente, não sejam subtraídos de seu viver tanto sofrimento e pesar e, na prova dos nove o que reste sejam mais risos e gargalhadas do que lágrimas e dor? Afinal, bom na vida seria mesmo obter a dízima periódica de lindos sorrisos...

Boa semana a todos!!!

sexta-feira, 19 de junho de 2009

"O tempo que se vai não torna mais e, se torna, não tornam as idades"...



Que me quereis, perpétuas saudades?
Com que esperanças ainda me enganais?

Que o tempo que se vai não torna mais,

E, se torna, não tornam as idades.


Rezão é já, ó anos! Que vos vades,

Porque estes tão ligeiros que passais,

Nem todos pera um gosto são iguais,

Nem sempre são conformes as vontades.


Aquilo a que já quis é tão mudado,
Que sempre quase é outra coisa; porque os dias

Tem o primeiro gosto já danado.


Esperanças de novas alegrias

Já não deixa a Fortuna, o Tempo irado,
Que do contentamento são espias.


Luiz de Camões


Não falarei da saudade... Ou falarei? Vejamos o que nos trarão os instantes seguintes...
Hoje resolvi falar a respeito do tempo, se é que conseguirei, por se tratar de assunto tão complexo. Mas... Vamos lá, porque o tempo está passando!!!
Camões, como sempre magistral! Almas como essas são poucas no mundo!!!
Eu costumo dizer que somos seres que, tamanha a insignificância, estamos presos no tempo.
Meu sobrinho mais novo, com cinco aninhos um dia me perguntou: "Tia, hoje é sempre amanhã?"
Gente, que profundo!!! E o que mais me impressionou foi a pergunta que se seguiu: "Então, estamos sempre presos no amanhã?"
Sim... Também, pequeno Davi... Mas, eu gosto de pensar que estamos presos no hoje, que já foi ontem e que será amanhã...
E não pensemos que tudo quanto há é eterno... Nada acaba. Em algum lugar ele fica, nem que seja na lembrança de alguém.
Piaf cantou uma música que amo. Chama-se "Non, je ne regrette rien" - "Não, eu não lamento nada". Linda canção!!!
Acontece que em uma parte da música ela diz que o passado está varrido, lavado e esquecido. Sim... Pode até ser que em sua mente isto tudo tenha passado, na mente e no coração - o que acho difícil -, mas, o fato é que tudo aconteceu um dia, e terá consequências... Ainda que elas sejam apenas um incômodo, preso no tempo que se foi.
Então, aquilo que fazemos não se apaga simplesmente porque desejamos. Cada ato, cada palavra, cada pensamento existe e se torna um fato. Mesmo que preso em sua mente e não saia dos seus neurônios, uma dia foi um impulso elétrico que fez suas células e seus hormônios entrarem em ação, a fim de produzir uma reflexão ou uma vontade... Foi físico!!!
Se você faz, há implicações, se não faz, também.
Por que não aproveitamos melhor o tempo que nos é dado, e que é tão fugaz? Pois tudo vai embora, e a vida passa tão depressa!!! As pessoas vem e vão, deixando seus rastros em nossas vidas, causando-nos alegrias e dores, estamos nelas e elas em nós, e simplesmente nos esquecemos de quão importante é olhar para tudo com a devida atenção, deixamos de lado os pequenos detalhes que fazem grandes diferenças em nós.
O tempo é imaterial, mas pode ser a matéria de muitas coisas: Do esquecimento, do entendimento, da alegria ... Mas é, sobretudo, da saudade. Porque tudo quanto se passa deixa saudade. Mesmo que você queira esquecer, traz tal sentimento, porém, pode se perder debaixo da poeira do tempo...
Ele é implacável em seus intentos... Sejam eles quais forem.
Portanto, eu o conclamo a pensar também no tempo... Garanto-lhes Não será perda de tempo!!! Será, sim, ganho, porque você aprenderá a contar seus dias com o passar deles, e não a contabilizá-los quando eles já forem muitos... Para que não fique com aquela sensação de que o tempo passou e você não viu.
Por isto mesmo é que o salmista disse: "Ensina-nos a contar os nossos dias, a fim de que alcancemos coração sábio".
Aprenda com os seus erros, analise o tempo que passou... Não o tome por perdido, caso não tenha sido como você planejou. Pense que foram questões de uma prova que você errou. Agora, é tempo de revisar a matéria para não errar mais. E, se você errar novamente, veja que lhe foi dado o dia de hoje para fazer do modo certo.
Estou convencida de que podemos ter mais uma chance...
Apesar de o tempo passar e apesar de ser implacável, nunca é tarde para aprender, porquanto o tempo nos é uma dádiva...
Mas, ele não lhe esperará para que você possa fazer isto ou aquilo antes de viver o tempo que lhe foi dado... Ele passará... Certamente!!!

Boa sexta para vocês, com o desejo de que tudo quanto faça, fale ou pense, seja muito bem aproveitado!!!

quarta-feira, 17 de junho de 2009

No princípio, um pensamento que se tornou verbo...


"...Toda ação principia mesmo é por uma palavra pensada."
Guimarães Rosa - Grande Sertão: Veredas.

Eu acredito nisto, acredito, acredito e acredito!!! Quando fico pensando em tudo o que me é dito, em tudo o que me é feito, assim como em tudo o que digo e tudo o que faço, reflito a respeito de como tudo começou. O princípio de tudo.

Muitas vezes lembro-me do que Cristo disse quando se referia ao adultério. Ele disse que bastaria a alguém olhar para o outro com desejo de ter aquela pessoa e estaria pecando.
Porque Ele, detentor de toda a Sabedoria, sabia que tudo nasce no campo das ideias!

Como nossa mente é prodigiosa!
Ela é capaz de muitas coisas. Quando você pensa, não é necessário executar para que aquilo que pensou exista.

Aquele "ato" é uma semente esperando para germinar. Para se tornar árvore, para dar frutos. Nenhuma ação começa pela simples ação. Ela tem um pensamento que a cria, que a forma, que a gera.
No bojo dos pensamentos está a forma de tudo.

As verdades, as mentiras, os atos, as palavras. A ação é somente a manifestação física de algo que se materializou em gestos, em verbo.
Assim que fico pensando nessas criaturas que dizem: "Não foi de propósito"! "Não foi bem assim"! Estou certa, hoje, analisando fatos, pensando em mim mesma, que nem sempre é assim...

Você pensou, você fez, você faz alguém sofrer ou se alegrar, e você sofrerá as consequências de seus atos...
E, nossa!!! Tudo não passou de um pensamento um dia... Você pode não ter tido a intenção de magoar... Mas, se tivesse pensado mais, poderia não ter magoado. Você pode ter tido a intenção de fazer feliz e, talvez, se tivesse pensado mais, não tivesse proporcionado tanta alegria.

Um paradoxo, sem dúvida... O que tenho a dizer a respeito dele é que se é para magoar, pense mais, se é para fazer alguém feliz, não pense tanto... Deixe que a ideia jorre como uma enxurrada de ações delicadas, gentis, amáveis, alegres...

Mas, pense no que pensa antes de tornar uma sombra em uma montanha! Você verá como é maravilhoso ver como os pensamentos são elos de uma corrente... Um se ata ao outro e se torna cada vez mais forte.


Já parou para analisar como aquilo em que você refletiu agora surgiu em sua mente? Por que justamente isto foi pensado? Como aquele pensamento inicial se tornou no que está pensando agora?


Eu lhes convido, amigos queridos, a parar à beira do lago imenso que é o seu ser.... Neste Universo poderoso de milhares de estrelas que reluzem em seu olhar por aquilo que ainda está em seu pensamento esperando para sair e iluminar um ato, um gesto, uma palavra...
Estou certa de que, daqui para frente, seu modo de pensar será muito mais aprazível... E muito mais sensato!!!

Tudo, absolutamente tudo está em um pensamento. O escultor pensa sua obra e, em sua mente, já estão prontos todos os aspectos de sua escultura. O pedaço de mármore e o bronze, na mente do artista, já contém a estátua. Sua ação somente a libertará de suas duas prisões: A etérea - o pensamento -, e a pétrea - a matéria que a formará.

Assim é também como pintor, que já viu todas as cores da paisagem, e com o escritor que já "viu" todas as palavras... Ou com o perfumista, que já sentiu o perfume...
E com você, que leu, só por pensar que, aqui, poderia ver um pouco mais de mim, ou de si mesmo, ou só por simples curiosidade...

Seja o que for... Foi um pensamento e, agora, é você aí, lendo um pouco mais... De mim!!!

Abraços afetuosos que nasceram no meu pensamento... E eu penso que são muito bons!!!

segunda-feira, 15 de junho de 2009

Amarelinha, Pique-Esconde, Pique-Pega... A vida passa!!!





Se Você Quiser...

Se você quiser me ouvir
Eu tenho muito a lhe dizer

Coisas que sua vida

Pode enriquecer.

Você acha que tem liberdade?
Sabe o que pode ser a verdade?

Pensa que sabe o que é falsidade?

Vê onde anda a tal felicidade?


Antes, brincavamos em árvores

Descalços saíamos às ruas

Saíamos cantando todos os amores

E, felizes, andávamos com todas as cores.


Do meu tempo de criança

Tudo são boas lembranças

Dos maravilhosos dias

Em que brincávamos em danças


Amarelinha, bolinhas, pique-pega

Menino, menina, pique-esconde:

Onde está? Elástico, corre para lá,

Corre para cá...


Hoje, menino para lá,

Menina para cá...

Presos em gaiolas,

Presos em telas.


Presos pela vida, sem pique-pega

Presos no vídeo, o pique é de esconder-se

Da vida que passa depressa

Dos sonhos que podem não acontecer.


As árvores já cresceram

E é tão bom poder nelas se desenvolver

E de seus frutos poder comer

E, em sua sombra, do sol se esconder.


A grama é tão boa!

Ande descalço sobre ela!!!

Sentirá que a terra pode

Fazer mais do que sujar...


Grite seus amigos pelas ruas

Saberá quantos eles são...

Procure muitos amores

Para muitas palavras sussurrar...


Saia do de seu esconderijo

E sinta o sol seu rosto iluminar

Saiba que tudo tem cheiros

E sons e cores.


Quando você descobrir tudo isto

A vida terá para você
Muitos sabores

E sons e cores...


Gabrielle Avelar

Dedicado aos alunos do 5° ano matutino do Colégio Inei - Asa Norte


Jovens aprendizes da vida... Dedico-lhes a minha vida!!! A vida que vivi quando eu tinha a sua idade... Com todo o meu desejo de que você seja tão feliz quanto eu fui... Viva o hoje, pensando que é agora que você construirá seu futuro... Sinta, AGORA, todas as sensações, sem se esquecer de que o futuro chegará, sim, para você!!! E, se não chegar, ao menos terá a sensação de que o pouco que viveu foi maravilhoso, cheio de tudo o que é bom de sentir e viver!!!
Beijos enormes a vocês... Tudo de bom!!!


E a todos vocês, crianças crescidas, eu os convido a debruçar-se sobre a janela de seus áureos tempos de criança... Agora, que já não podem brincar, que sua brincadeira seja viajar no tempo, nos tempos em que a vida e o tempo pareciam não passar, no tempo em que tudo parecia se voltar para você mesmo... Porque agora, agora você precisa pensar naquilo que está a sua volta... E o céu de sua Amarelinha é fazer a quem ama feliz... Nos pulos que dá em sua vida, nos obstáculos que transpõe, que você se lembre de fazer os seus felizes... A pessoa mais vitoriosa é aquela que consegue tal feito.
Hoje você brinca de pique-pega com a sobrevivência, e de pique-esconde com as tristezas. As lembranças são suas árvores, nas quais, hoje, você escala os tempos tão alegres em que o sorriso não tinha hora nem lugar para acontecer. Que sua vida, hoje, seja doce... Tão doce quanto todas as balinhas e pirulitos e chicletes que já adoçaram a sua infância... Que o sabor amargo da tristeza, hoje, não passe por seus lábios... Da mesma forma que o jiló, estou certa, naquela época, não passou por sua boquinha...
Beijos e uma excelente semana!!!

sexta-feira, 12 de junho de 2009

A Montanha e o Mar


Como são belas as paisagens que o mundo nos oferece!!!
E como é magnífico observá-las, porque tudo nos fala a respeito de nós mesmos... O cosmo fala do microcosmo, e vice-versa.
Sabe, ontem eu estava lendo um livro desses de auto-ajuda e, apesar de não gostar muito do gênero, eu peguei emprestado porque não nego leitura, e porque a intenção da "emprestadora" era a melhor possível.
Bom, lá dizia que uma pessoa inteligente enxerga perfeitamente o fato de que água e azeite não se misturam.
Parece óbvio, mas muita gente se esquece disto quando se fala de relacionamentos...
Olha, por mais que haja compatibilidade entre pessoas diferentes - que podem se completar - há os diferentes que são opostos mesmo! Que não são compatíveis, definitivamente!!!
Quando eu vejo a montanha que fica de frente para o mar, eu penso, à primeira vista, que cenário lindo eu encontro. Como é belo ver aquilo. Isto visto do mar, então!!! Do mar eles parecem se tocar! A montanha e o oceano... Aquela massa de terra coberta de vegetação parece mergulhada no mar... Porém, é só sair da água para percebermos que, na verdade, é só uma ilusão.
Quando a cena é vista do ponto de vista da montanha, então... Aí é que vemos que eles dois são muito distantes um do outro. E, se você pensar bem, se a montanha avança para o mar, ela deixa de ser montanha e tira um "pedaço" do mar. Se o mar invade a terra, "engole" a montanha e ela deixa de ser montanha para se tornar fundo do oceano...
Assim é com algumas pessoas... E o pior é que insistem em viver relacionamentos que lhes causam danos, só para poder provar que pode dar certo!
E isto me faz pensar... Será que é amor mesmo, ou somente dependência?
Vamos raciocinar? Pensar um pouco não faz mal a ninguém!!!
Sei que muito tenho dito a respeito do amor, e de como ele é... Mas, também tenho de dizer a respeito do amor: Como diz o ditado, não adianta dar "murro em ponta de faca"... Só machuca...
Insistir em relacionamentos danosos só causa feridas profundas que não cicatrizam. E nem sempre o que achamos que é amor é amor... Entendem?
Amar é muuuuuuuito bom, mas ser dependente é algo completamente diferente!!!
Esta é uma das muitas faces do amor... Ele é infinito, mas quando é amor de fato...
Neste Dia dos Namorados, que é o dia em que se celebram as paixões, e o amor, desejo de coração que você pense... Há tantos relacionamentos que não nos fazem bem... Porque insistimos? Porque fazemos coisas que nos causam danos?
Vamos lá! Vamos parar e pensar? Pense, mas pense mesmo! Se você não está se machucando e, pior, se não está machucando alguém também... O que é pior...
A Montanha e o Mar são lindos... Parecem se completar mas, entre eles está a praia...
Se vocês têm natureza de água e vinho... Podem dar um bom suco vocês dois!!!
Dia dos Namorados, além de ser dia de trocar presentes, também pode ser dia de refletir sobre o amor!!!
Felicidades a todos!!!

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Um poeminha novinho, novinho para vocês... Nem foi lapidado ainda... Nem sei se o farei. Muitas vezes as pedras brutas são tão belas!!!
Minhas impressões a respeito do que sinto agora... Não tratem de me condenar... O coração é assim mesmo!!!
Sem pretensões!!!
Beijos!!!

Deixaste-me, Amado...
E deixastes em mim
Tudo o que há em ti
E a falta de teus pequenos gestos
Tem-me o peso
Do Universo inteiro

De teu Universo,
Inundado de estrelas,
Das escuras estrelas
De teu claro olhar.
E, no fundo espelhado
De tua alma,
As plácidas palavras
De teu agitado murmurar
Tuas verdades
Tornaram-se mentiras
Num terreno,
Escarpado e que

É o chão de tuas
Falas em silêncio mergulhadas.

E hoje, em meu agora,
O ontem me namora
Trazendo-me vida
À morte que ora chora.
Talvez sejam
As lembranças das horas
Que petrificarão em
Instantes a etérea verdade de teu ser,
A fim de que, o infinito,
Eternamente, em meu coração
Possa viver.
Quem sabe, assim,
Teu Universo, em mim,
Átomo possa ser.

Gabrielle Avelar
Brasília, 09 de junho de 2009.

Razões do Coração (Ou o Coração das Razões??? )


Como eu disse ontem, eu não quero vestir o futuro... Quero, todavia, viver o momento que me é dado, mesmo porque eu não posso nutrir aquilo que não deve crescer dentro de mim...
Não quero ter esperanças, porque sei o que a razão me diz.

Mas, o coração - este verdugo - não conhece o que é racional.
Para ele 1+1 não é igual a 2. Para ele 1+1 é igual a mil!!!
O coração não entende linguagens prontas. Ele as cria. Forma em seu bojo palavras que somente ele mesmo compreende.
O coração não anda nas sombras. Ele trilha caminhos que ele mesmo ilumina.
E não enxerga estradas tortuosas. Ele mesmo endireita as veredas.
Ele não sabe onde está a água, antes, cava um poço com as próprias mãos em uma rocha.
Não sabe o que é o fogo, mas alimenta as cinzas.
Ele não sente as dores dos espinhos, colhe apenas o perfume das rosas.
Não sabe da noite, porém caminha no meio das estrelas.
Não dá ninho aos pássaros, todavia, rouba-lhes seu mais belo canto e voa livre em suas asas.
O coração não sabe das ondas, mas perscruta os abismos oceânicos.
Não conhece o sacrifício das ostras, mas orna-se de todas as suas pérolas.
O coração não toca as cordas, mas faz vibrar o violino.
Ele lança mão da própria vida, mas não conhece os limites da morte.

Assim é que, ando a existência com o coração e suas impossibilidades possíveis, pois ele se inunda do amor que, na verdade, é quem nele opera todos esses milagres.
E ouvirei o que o coração me diz, ainda que não compreenda. Somarei suas milhares de razões e as multiplicarei no Universo de minha existência.
Andarei por seus caminhos iluminados, ainda que a luz esteja fraca. Trilharei seus retos caminhos, ainda que sua retidão seja ilusória.
Esperarei pela água da rocha, mesmo que ela jamais jorre, e caminharei por cima das cinzas, ainda que queime meus pés na brasa.
Jogarei sobre meus cabelos os perfumes das rosas que meu coração não abraçou, mesmo que eu me fira com seus espinhos.
Andarei de mãos dadas com ele entre as estrelas, mesmo que de lá eu caia.
Encantar-me-ei com o canto dos pássaros e vibrarei com suas revoadas.
Mergulharei em suas ondas, ainda que eu me perca e me afogue em seus abismos.
Serei ornada com suas pérolas, e ouvirei o som de mil violinos!
Com meu coração, lançarei mão de minha própria vida, para que, maravilhada, conheça eu os limites mortais da eternidade...

Caríssimos... Tenham uma excelente quarta-feira... Véspera de feriado!!!

terça-feira, 9 de junho de 2009

Como assim???


"Viva o amanhã"!

... Este é o slogan da famosa marca de cosméticos Avon. Sabe, estive pensando a respeito dela e de como passei o fim de semana... Naquilo que disse, no que fiz, e cheguei à conclusão de que estou um pouco "hedonista".
Para quem não se recorda, o Hedonismo prega a busca do prazer, ou da felicidade imediata. O apóstolo Paulo o critica, em sua primeira carta aos Coríntios, quando fala da vida eterna em Cristo, demonstrando que as coisas não se acabam por aqui, e podem, porém, ter consequências eternas.
Então, não é bem assim que se deve dizer: "Comamos e bebamos, porque amanhã morreremos".
Bom, mas eu gostaria de falar a respeito de algo mais raso... Não tratarei das asseverações a respeito do fato de utilizarem a crença de que não há uma vida eterna de modo vão e inútil...
Um pouco menos profundo, eu sei, todavia não menos importante, é o fato de termos de viver o hoje!!! Afinal, ele é mais importante do que o amanhã e o ontem... Sem o presente, o passado e o futuro não existiriam.

Guimarães Rosa, em seu magnífico livro Grande Sertão: Veredas, diz o seguinte: "Viver, não é? É muito perigoso, porque ainda não se sabe"!
Que simples verdade! Ainda não sabemos o que se passará para que nos preocupemos... Ou será que é isto que nos preocupa?
Bom, eu sei que é extremamente natural nos preocuparmos como o que faremos, com o que vestiremos, com o que comeremos... Fazemos questão de planejarmos absolutamente tudo... De fato, vivemos o amanhã! Dormimos para acordarmos na manhã seguinte, comemos para termos força para viver depois, compramos roupas para não sentirmos frio no próximo inverno.
E isto nos angustia, e nos angustia cada dia mais... Vivemos para planejar... Trabalhamos planejando o futuro que PODE SER que viveremos...
Isto não é maluco? Tenho recebido inúmeras mensagens que relatam a experiência de pessoas que se acham com doenças fatais... E todas elas dizem a mesma coisa: Vou tratar de viver o dia de hoje!!!
Cheguei a esta conclusão sem ter de passar por uma doença fatal: Viverei o dia de hoje!!! Claro que isto não significa que não me preocuparei com o futuro, ou que simplesmente sairei por aí fazendo coisas absurdas porque simplesmente decidi ser feliz. Não é isto!!!
Entretanto, depois de viver tantas desilusões, depois de esperar tanto pelos momentos perfeitos, pela casa perfeita, pela pessoa certa, decidi que não deixarei de viver certos prazeres por esperar...

Decidi usar o enxoval que ficou guardado, esperando que um dia eu tivesse a casa ideal, a cama certa, a ocasião certa... Meus lindos lençóis de linho bordados à mão saíram do armário!!! Juntamente com a vida que ficava para amanhã...
Não sem os devidos protestos de minha genitora amada, que ficou abismada com o fato de eu dizer a ela que poderia não haver um próximo casamento...
Não! Não deixarei mais para depois. A pessoa mais importante sou eu!!! Se eu não gostar de usar, se eu não gostar do que vejo, sei lá quem gostará!!! E vai saber o que está lá, no segundo seguinte, no próximo metro... A vida pode não acontecer!!! Pode acabar. E quem usará meus pertences???? Sim! Porque eles ficarão!!! E, se eu for, certamente, não serei eu quem os usará.
Pois, vou dizer, não deixarei para usar aquela roupa de que gosto porque vou andar de ônibus por aí, porque daqui a pouco tenho de vestir o uniforme!!! Não!!! A ocasião especial é agora. E sempre!!!
Seguirei sonhando, claro!!! Com o futuro, óbvio... Mas, "Viver o amanhã"???? Como assim????????? Nem pensar!!!
Viverei agora, hoje, pelo menos até daqui a pouco!!! Pode ser????

Boa terça!!! Carpe Diem!!!

segunda-feira, 8 de junho de 2009

Dói, Mas Não Tem Jeito!!!



MUDOU
Taiguara


Mudou,
mudou o tempo e o que eu sonhei pra nós
Mudou a vida, o vento, a minha voz

Mudou a rua em que eu te conheci

Mudou,
a ilusão da paz do nosso amor
Mudei as rimas do meu verso cru

E o sol mudou de cor meu corpo nu


Mudou,
o impulso aflito de dizer que não
A lua é nova e a nova informação

Muda meu céu e vai mudar meu chão


A terra ardeu e céu desmoronou
E há o que fazer e a flor não me ensinou

E há o que saber e o sonho não mostrou


Mudou ,
e vai mudar enquanto eu não morrer
E vai mudar pro amor sobreviver
Vê se me entende eu mesmo não mudei


Eu sou o mesmo livro, podes ler

Eu sou o mesmo livre pra dizer:
Que eu amo ainda
Que eu quero ainda

Te espero ainda pro amor!


Linda a letra desta música, não acham? Aliás, Taiguara era um poeta de mão cheia!!! Suas letras são sempre profundas e bastante filosóficas.
Bom, diz-se que um homem que mergulha num rio, quando emerge, nem ele é o mesmo homem, tampouco o rio é o mesmo...
Todavia, a essência de ambos é imutável. Mudam-se muitos sentimentos em nós, porém, se mudamos nossa essência, deixamos de ser quem somos... E isto denota uma patologia... Que pode ser séria!
Bom, passei este fim de semana amargando uma baita gripe, da qual nem me curei ainda... Mas, o que mais me amargou foi emergir de um "rio" em que eu estava submersa até a alma, e cujas profundezas me encantaram...
Emergir de um amor é um difícil retorno ao nosso próprio mundo, de onde saímos para viver os encantos de uma outra vida... Então, quando voltamos, somos obrigados a notar que já não somos mais os mesmos, pois absorvemos muito da outra vida, acrescentando muitas coisas e deixando outras para trás.
Uma espécie de simbiose... Sabe como é? Vivemos em outro, para outro, e dependemos desse outro... Digamos assim que seria melhor dizer que é um mutualismo... Pois é possível viver sem a existência do ser amado, sim, embora seja extremamente doloroso e difícil.
É necessário aprender a viver novamente sozinho... É uma dor quase sobre humana, um vazio que sentimos, que não nos deixa dormir, que tira as cores e os sabores de tudo.
E, quando emersos, percebemos que tudo muda, menos o que sentimos... Somos o "mesmo livro"... E ainda amamos... Não muda...
Como livros, a cada vez que somos lidos, tem-se impressões diferentes.
E isto é bom... Apesar de ser doloroso o folhear das páginas, apesar de a história não ser muito bem compreendida durante a leitura... A vida é assim...
Entre apresentações e despedidas, entre as alegrias e as tristezas, estamos nós mesmos... Esses universos mutáveis, universos particulares, universos de milhões de estrelas - todas nossas - que, a todo instante, nascem e morrem em nossos corações... Todas elas nos deixam marcas, todas elas fazem parte de nossas existências, todas elas nos fazem ser quem somos... Cada palavra dita, cada espaço preenchido, cada som ouvido, cada gosto percebido, cada toque sentido... Cada um deles completam o ser, e fazem da vida, simplesmente... Vida!!!
E que tudo mude enquanto vivermos... E que o amor sobreviva...
Mudemos... Sei que dói, mas não tem jeito!!! Faz parte de ser... Simples assim. Difícil assim.

Boa semana a todos, com um forte abraço bem carinhoso!!!

sexta-feira, 5 de junho de 2009

Verdade... Sempre ela!!!


Que grata surpresa eu tive hoje ao abrir a minha correspondência eletrônica!!!
Um querido amigo, ao saber de algumas coisas que andam acontecendo comigo, escreveu algo que me deixou extremamente sensibilizada!!!

"Prefiro 'morrer' pela verdade a viver na mentira. Só o que é verdadeiro tem a força de transformar a vida para melhor. Jogar fora as ilusões e encarar a verdade é seguir em frente e evoluir. Embora esses momentos sejam extremamente dolorosos, são eles que mais nos ensinam a viver".

Bom, quando se trata da verdade, muitas palavras são ditas, não é mesmo?
O que eu tenho a dizer sobre ela é que ela é como um medicamento que é muuuuuuuuuito amargo, mas que, ao cabo de tudo e de seus efeitos colaterais, nos salva de nós mesmos e das mentiras que inventamos.
E a pior mentira é aquela a que chamo falsidade. Porque o falso é a mentira que se veste de verdade... É a tal ilusão de que fala o meu amigo... Jogamos fora as ilusões quando descobrimos os efeitos maléficos daquilo que é falso...
A mentira vestida de verdade causa o efeito "lobo em pele de cordeiro".
Ouvi, certa vez, uma historinha que, à época me impressionou por sua verdade inexorável...

Conta que um pastor de ovelhas, todos os dias ao fim da tarde, quando recolhia suas ovelhas para o aprisco, dava pela falta de uma delas... E passou a ficar intrigado, pois não via lobos ao redor para que desconfiasse que algum deles pudesse devorar suas ovelhinhas.
Até que um dia fez com que elas passassem pela porta estreita do aprisco, por onde só passavam uma a uma.
Em cada uma que passava ele metia o cajado na cabeça. E todas passavam de cabecinha baixa e caladinhas, como é próprio da natureza das ovelhas. Até que, ao golpear uma delas, ela rosnou... E ele descobriu que, na verdade, aquela que parecia ser uma ovelha era, na verdade, um lobo, e estava devorando suas pseudo semelhantes.

Esta história nos mostra a natureza da falsidade. Ela é uma mentira "vestida" de verdade.
Muitas pessoas agem assim. ESTÃO mansas, todavia NÃO SÃO mansas.
Quando golpeadas pela vida, ou ainda, magoadas por alguém, tem reações inesperadas. Já vi isto acontecer diversas vezes na vida...

Por isso mesmo é que adoto a tática do silêncio... Quando fico com raiva por me sentir golpeada pela vida ou mesmo por alguém, eu decido me calar... Porque conheço a minha natureza - que não é das melhores. E sei que uma atitude ou palavras impensadas podem ferir com profundidade e matar o amor que sentimos e que sentem por nós... Por isso é que prefiro me calar...
E minha reação diante de inverdades, sejam elas mentiras descaradas ou falsidades, é sempre a raiva. Ela passa e eu sei disto. E, quando ela passa, dependendo do que fizemos, amargamos uma baita ressaca moral. Assim, resolvo me calar, pois não gosto de ser magoada, por isto mesmo faço todos os esforços para não magoar.
Desculpem se pareço ser uma ovelha mas, muitas vezes, me comporto como lobo... Tenho pedido ao Pai que manifeste a Natureza de Cristo em mim... Creio que isto, na mente do Tapeceiro já aconteceu... Mas, até que vejamos a obra completa é difícil.
Voltando da digressão, desejo muito que pensem a respeito da verdade... É tão menos complicado dizê-la!!! A mentira e falsidade causam danos irreversíveis...
Ou não... Mas, até saber, é complicado... Mesmo que elas não matem o amor, ficam as cicatrizes... Podem não doer, mas sempre nos lembraremos da ferida.
Todas as vezes que mentimos ou falseamos a verdade, somos obrigados a fazermos alguém nos perdoar... Cada vez que fazemos isto, a obrigamos a ter de "fazer o amor brotar novamente"... E, vou dizer: Dói, viu?
Não é mais fácil dizer a verdade, então? Não é mais fácil arcar com as consequências de seus erros, ao invés de fazer com que outros também o façam?
É tão simples... É difícil, mas é simples, garanto a você porque já passei por isto!!!
Desejo apenas declarar que quero muito fazer meu amor brotar novamente, no momento... Desejo mesmo!!! Porque sei que quando perdemos a admiração que sentimos por alguém é terrível... Quando eu magoei alguém que amei muito senti que a dor é maior do que quando sou magoada.
Tudo quanto fui durante anos se perdeu num único momento. Pena que a "coisa" foi mútua porque também perdi a admiração que sentia.
Assim, quero que saibam todos, que meu desejo é trilhar o caminho "agreste e escarpado" do amor.
Que tudo isto me sirva para ter sabedoria, e para amar mais ainda.
Saibam... Quando amamos de verdade, nada há no mundo que a pessoa faça que possa fazer com que a amemos menos. Mas, é bem possível que mágoas façam-nos esquecer disto...

Só impressões, mas, desta vez com todas as pretensões do mundo... De fazer você pensar!!!
Abraços a todos, com o desejo de um excelente fim de semana!!!

quinta-feira, 4 de junho de 2009

"Decifra-me, ou devoro-te!"


"Eu fico no aguardo
Da revelação dos enigmas
Enquanto a realidade escondia
Não me mostra o sol que lhe dá vida".
Jan Muá

Hoje encontro-me numa situação difícil... Quando a raiva toma conta de nós, por sabermos que há muitos enigmas a serem desvendados, é complicado manter um certo equilíbrio...
A raiva, digamos assim, pode ser comparada a uma espécie de morte que fica nos rondando à espera de matar algum sentimento que possuímos... Daí é preciso ficar atento...
Caso contrário se fará necessário que perdoemos e, então, teremos de "fazer o amor brotar novamente", como diria o meu querido Irmão Honório (in memoriam)...
Tenho medo de ter de perdoar... Porque não tenho perdão para dar... Não detenho o poder da vida!!! Não posso ressucitar alguém no meu coração... Não agora!!!
Só me resta pedir a Deus, em Cristo, que tudo já fez e a quem pertence o perdão, que me dê graça, misericórdia, fé e sabedoria...
Porque sou feita de amor, movida por amor... E não gostaria de sofrer a dor da morte para poder renascer...
Deixarei que o Sol tome conta da realidade para revelá-la... Estou aguardando por isto, ansiosamente...
Quem sabe eu não consiga ver uma "rosa fugidia" no raiar do sol? Quem sabe a vida não me sorria, agora de verdade? Quem sabe o amor não brote ainda mais belo?
Diz um ditado chinês: " A flor nascida na adversidade é sempre a mais bela"...

Bom dia...

quarta-feira, 3 de junho de 2009

Decreto Eterno

"Artigo VIII

Fica decretado que a maior dor
Sempre foi e será sempre
Não poder dar-se amor a
A quem se ama
Sabendo-se que é a água
Que dá à planta
O milagre da flor" ...

Thiago de Mello

Pediram-me para colocar este texto aqui hoje, depois de uma conversa a respeito do amor e do que ando sentindo.
Eu fui apresentada a este poema quando estava na 4ª série e nunca mais me esqueci dele, e jamais esqueci-me deste artigo.
Bom, o que mais dizer? De fato, o que tenho a contar, depois de tanto dizer a respeito do que é amar, de haver aprendido tanta coisa durante a minha pequena existência, (sempre impressões, sem pretensões), é que esta dor de que falam os Estatutos do Homem - lindo poema de Thiago de Mello - é a maior que existe mesmo...
Não tenho mais nada a dizer do que as sábias palavras do escritor me dizem... E lhe dizem também... E acredito que - modéstia à parte - Thiago a escreveu especialmente para mim!!! Hehehehehe!!!
Que tal refletir sobre o que é isto? Será que é preciso perder para dar valor ao que se tem? Será que é mesmo preciso estar longe para enxergar na totalidade?
Bom, sei que muitas vezes sim... Mas, se podemos evitar tal dor, não é melhor evitar?
Afinal, "prevenir é melhor do que remediar", não é?
Beijos carinhosos!!!

Novamente... Amor!!!


Vós que, dos olhos suaves e serenos,
com justa causa a vida cativais,
e que o outros cuidados condenai
por indevidos, baixos e pequenos;

se ainda do Amor domésticos venenos
nunca provastes, quero que saibais
que é tanto mais o amor despois que amais,
quanto mais as causas de ser menos.

E não cuide ninguém que algum defeito,
quando na cousa amada s'apresenta,
possa deminuir o amor perfeito;

antes o dobra mais; e se atormenta,
pouco e pouco o desculpa o brando peito,
que Amor com seus contrários s'acrescenta.

Luiz Vaz de Camões

Caramba!!! O que comentar??????
Tenho tantas coisas a dizer a respeito do amor... Hoje mesmo alguém me reclamava muito de seu parceiro... Então e lhe disse que não sabia como eles, que estavam juntos a tanto tempo, não se amavam exatamente como eram... Porque um reclamava de lá e o outro de cá, cada um alegando suas razões.
Bom, quando eu falei isto, esta pessoa me disse prontamente: "Mas eu o amo exatamente como ele é, ele é que não me aceita como eu sou"!!!
A maioria das pessoas tem justamente esta resposta na ponta da língua nessas situações. Assim que, na verdade, estão todos afogados no Lago de Narciso e vivendo tal e qual o elefantinho da pequenina fábula de Mário Quintana...
Olha, eu só quero dizer o seguinte: É muito bom amar, mas não é fácil!!! É terrível!!! Hehehehehe!!! Mas é extremamente compensador...
Gente, raciocinemos: Homens e mulheres tem naturezas opostas!!! E, como se não bastasse, são pessoas que vem de realidades distintas, com educações, hábitos, vivências totalmente diversas...
E somos criados para vermos apenas a nós mesmos... A resolver nós mesmos nossos problemas, a viver as nossas próprias vidas. Nada mais.
Isto não quer dizer que seja impossível amar alguém da forma que ele se apresenta a você. E digo mais: É maravilhoso!!!
Como é divino descobrir que o outro é apenas ele mesmo, não uma extensão de você!!! Ele tem seus problemas, ele tem suas dificuldades, mas é a pessoa a quem você ama!!! E a simples visão dele pode alegrar todo o seu dia...
Não quero dizer que você deva se anular... Estou dizendo que você deve amar alguém, que não você mesmo, e aprender a mergulhar na vida de outro ser...
Olha, quando você aprender a "ignorar" a si mesmo, e a amar, de fato, será tão maravilhoso!!! Você ama mais ainda a pessoa porque ela é como é... E passa a entender que seus "defeitos" são apenas dificuldades, ou ainda, são qualidades que faltam em você... E assim, o "Amor com seus contrários s'acrescenta".

terça-feira, 2 de junho de 2009

Nada mais...


Nada mais a dizer do que as próprias palavras dizem... Simplesmente... Verdade!!!

O FINO ROSTO DA VERDADE
Jan Muá


A verdade não é necessariamente o que tu dizes

Ou que que julgas ser incontestável

Não é também o que dizem por aí

Nem o que os políticos apregoam

No palanque

Ou através de cestas básicas


A verdade em rigor ainda está a caminho

Bastante escondida

E dela pouco saberemos até ao amanhã

Em que descobriremos profundas razões de vida e de ação


Há portas nos céus da terra
Que nunca se abriram
Há declarações vitais que ainda esperamos

E que chegarão a nós em horas próprias


A verdade não é a doutrina
Nem a retórica

Onde se camuflam intenções

Ciladas

E inverdades para pegar incautos


A verdade é o espírito puro

Não contaminado

O ato da transparência

A nudez da origem das coisas

Onde não há ambiguidades

É o estalo da crua realidade a nossos olhos

É o olhar virgem da criança

Ou do inocente sem escamas nos olhos


É tua esperança preservada

Tua fé sagrada fechada

Tua paixão ardente maluca

Não raciocinada

Verdade és tu mesma
antes da mentira
E da poluição de teu senso moral

És tu no primeiro abrir de olhos

Inocente

Antes de aprenderes a fingir


Verdade é o verbo revelador

A poesia mansa do instinto de viver

A atmosfera livre

A cama em que ainda não deitamos

O café ideal que ainda não tocou nossa língua

O amor preservado em nosso corpo

A singeleza de nosso rosto

Os valores escondidos

Nas paredes e nas válvulas do coração

Que guarda as mais íntimas esperanças


A verdade são todas as chaves que nos são dadas

Todos os caminhos colocados à disposição de nossos pés

Todos os horizontes que brotam do repouso de nossos olhos


A verdade é a a esperança virgem

Em nosso destino

A causa capaz de dar cores vivas à existência


É tua chave mágica

Na qual te sentirás autêntica em teu ser

Quan
do
Feliz

Mergulhares em tua alma descobridora."



Jan Muá é meu amado João Ferreira... Meu querido professor de Literatura Portuguesa na faculdade...
Não tecerei comentários porque eu mesma ainda estou ruminando essas verdades...
Verdade... E as verdades de meu professor querido me são minhas também...

Para encerrar, para que eu não fique aqui parolando demais, quero apenas citar Mário Quintana:

"Qualquer ideia que te agrade, por isso mesmo... É tua! O autor nada mais fez do que vestir a verdade que, Em ti, achava-se inteiramente nua".

Boa Tarde a todos!!!

segunda-feira, 1 de junho de 2009


PERDOA, MEU AMOR
(Casemiro Vieira)

"Perdoa, meu amor, perdoa!
Perdoa, eu bem sei que errei...

Perdoa, meu amor, perdoa!

Perdoa se lhe magoei.


A minha vida era só melancolia

Até você aparecer um dia

Como se fosse uma rosa fugidia

Fez dos meus sonhos essa louca fantasia.

Ainda sinto teu perfume encantador

E nos meus lábios os teus beijos sedutores
Perdoa, meu amor, perdoa!

Perdoa se me tens amor!"


Desde que nasci, eu frequentei, até os 19 anos, a Igreja Batista do Calvário, em Sobradinho, cidade em que fui criada. Lá havia um velhinho de quem gostava demais e seu nome era Honório. O Irmão Honório.
Sua esposa teve um AVC e ficou inválida, totalmente dependente dele e de sua filha.
Era um casal lindo! E ele cuidou dela até o dia em que o Senhor da Vida resolveu buscá-la.
Durante o tempo em que ela era viva, no entanto, ele jamais faltou a um culto sequer... Sua cabecinha branquinha era presença constante nos cultos de domingo, pela manhã e à noite, assim como o era também nos cultos durante a semana.
Eu fazia questão de lhe dar um abraço todas as vezes em que me encontrava com ele.
Dele é uma das definições mais lindas da palavra "Perdoar" que eu já escutei na vida: "Perdoar é fazer o amor brotar novamente".
Amar, significa, entre outras coisas, ter bastante trabalho... Não é fácil fazer algo brotar novamente depois que morre...
Aliás, é impossível!!! A não ser que haja um milagre... E, no caso do amor, o milagre é o Perdão...
A arte de perdoar é fazer-se de jardineiro na vida... Não é fácil plantar, revolver a terra, regar, podar... E, quando esta flor nasce, é mais complicado ainda mantê-la viçosa por todo o tempo... Daí, chega o dia em que, por algum motivo ela morre...
Aliás, Sthendal foi quem disse que "O amor é uma flor delicada, mas é preciso ter coragem para colhê-la à beira do precipício".
Assim é que, não somente é difícil de cultivar, como é difícil obter suas sementes...
Mas, para haver perdão, é necessário que alguém tome a iniciativa, antes que o tempo passe demasiadamente, a ponto de não haver mais salvação para a semente que morreu...
Apesar de que, para Deus, o Grande Jardineiro, não há impossíveis...
Porém, para que deixar o tempo passar se você pode tomar a iniciativa de dizer: "Perdoa, meu amor, perdoa"?
Reconhecer seus erros não é o fim do mundo! É, no entanto, fazer-se sensível às dificuldades da pessoa que você ama.
Vamos lá... É tão ruim ser só no mundo!!!
Como é bom saber-se perdoado, mas é melhor ainda perdoar!!!
Volta ao amor... Saberá como é maravilhoso ver uma "rosa fugidia"... Aquela que brota quando você menos espera!!!
O Amor brotará novamente, e cada vez que ele brotar será mais bela a visão de sua beleza!!!
Abraços a todos e uma excelente semana!!!