segunda-feira, 31 de agosto de 2009

E por falar neles...







E por falar em sapatos...
Não sei porque eu ando pensando tanto nos pés... E nos sapatos.
Acho que é por causa das muitas dores que tenho sentido. Não só nos pés como em todo o corpo.
Mas, como são eles os sustentadores de todo o nosso corpicho, as dores que os afligem eu percebo mais... Não dá para não perceber. Ela incomoda pelo simples fato de que não é possível deixar de caminhar.
Então, eu tenho pensado e repensado em modos de fazer minhas dores passarem sem precisar utilizar medicamentos.
DETESTO tomar remédios. DETESTO!
Pensava em uma determinada situação que tenho presenciado, não participado ativamente, porém, de certa forma meu coração está junto, já que se trata de alguém que amo.
Há quase 10 anos eu emagreci demais. Muito mesmo. E eu, que calçava 38/39, passei a calçar 37, de tão magrinho que meus pés estavam.
Lembro-me que naquela época estavam na moda as mules. Aqueles sapatos que são fechados na frente e abertos atrás.
Comprei umas maravilhosas. Eram beges com marfim e tinham umas flores lindas de couro na frente. Muito fofas. Usei bastante. Eram, além de tudo, muito confortáveis. Lembro-me que até comprei uma bolsa para combinar. Ambas me custaram os tubos, mas eram tão lindas, tão lindas, que não resisti. Coisa de mulher mesmo.
Passado um tempo, eu voltei a engordar. Afinal, eu consegui driblar uma anemia que me perseguia havia anos e anos, e que me custou muitas idas a médicos, muito remédio e temores de que pudesse ser algo bem mais grave.
Mas, as mules, com a volta ao meu corpo normal, acabaram por ficar apertadas. Fiquei muito triste, mas não podia mais calçá-las, simplesmente porque não cabiam mais. Os meus sapatos, que antes eram lindos e confortáveis, passaram a machucar meus pés a ponto de eu sequer conseguir sair de casa com eles.
Cheguei a guardá-los por um tempinho, só que era absurdo - e eu sabia disso - guardar calçados que não lhe cabem só porque são lindos. Minha casa, afinal, não era um Museu de Sapatos.
Eu os dei, não sem um dó danado...
Não demorou e eu achei um outro par, não tão bonito, é verdade, mas eram tão confortáveis, mas tão confortáveis, que nem pensei duas vezes: É meu, é meu, é meu e é meu!!!
Muito mais caro, é verdade. Mas, depois de um tempo o bolso se recupera.
Já, se eu insistisse em ficar com as mules antigas, tenho certeza de que meus pés sofreriam sequelas irreversíveis, e que ficariam pelo resto da minha vida, ou então me custariam anos de fisioterapia.
Eu nem tinha condições de bancar o outro par de sapatos. Eu paguei por um tempo, em suaves e homeopáticas prestações. Só que o conforto que ele me trouxe, é algo impagável. É mais um par para a minha coleção de sapatos velhos. Mas, um dia, ele foi um par novo E confortável.
Há situações assim na vida, me peguei pensando novamente.
A critaturinha está assim. O pé se modificou, os sapatos já não servem mais. Daí, experimentou outro, só que era muuuuuuuuuuuuuuuuuuuito mais caro. Até tinha como comprar, mas ia ficar endividadinha por um tempo. Pagaria... Claro que sim! Teria de se sacrificar um pouco, mas, ao cabo de tudo, ficaria livre e confortável.
Mas, não quer pagar o preço do sapato novo, não. Putz...
Calçou o velho. Pffffffffff.... Pura perda de tempo, minha gente... O pé vai doer tanto, mas tanto, tanto, tanto... E o pé quando incomoda é pior do que qualquer outra dor no mundo!!! Acaba que tudo dói também. A coluna, a cabeça, até o último fio de cabelo dói.
E daí, restarão duas alternativas: Ou vai ficar descalça, a pessoa, ou vai ter de comprar o tal calçado mais caro... Não tem jeito. Sinto informar...
Se bem, que há horas em que andar descalço é bom demais... Não é?
Liberdade!!!
Isto me faz lembrar de uma outra história... Mas, não de outro assunto.
É proverbial a minha tendência a cair. Sim! Sou como uma jaca madura: A minha atração com o chão é quase irresistível. Porém, as escadas são meus locais "preferidos" para cair. De duas uma: Ou eu gosto do chão, ou eu desejo ardentemente voar... Ainda não decidi.
É impressionante: Eu caio sem motivo aparente! Quando eu vejo, pluft! Já era!!!
E sempre que caio, eu perco um par de sapatos. Geralmente um de que gosto muuuuuuuuuito.
O último que perdi era um xodó. Um scarpin lindo que comprei na Zara. Verde, de couro prensado imitando croco. Na ocasião eu estava vestida com uma de minhas paixões. Um macacão todo de seda da Maria Bonita, verde, maravilhoso!!! Eu o encontrei perdido e abandonadinho em um Brechó, e a dona me ofereceu quase de graça porque ninguém queria. como se tratava de um item diferentérrimo, estava encalhado. E eu, espertamente, agarrei-o, pois sabia que os macacões seriam as peças tudo-de-bom da próxima temporada.
Fato é que ele é lindo!
Gente, estava eu descendo uma escada, na frente de uma loja de tecidos. O danado do sapato enganchou o salto no macacão (que furou) e eu me estabaquei. Não sei como - não me pergunte - um dos pés dos scarpins voou para bem longe, e eu caí me apoiando com a perna esquerda, cujo pé torceu.
Bom, meus avós maternos que estavam no carro logo em frente, viram a Jaca Mole cair estarrecidos diante daquele quadro dantesco... Daquele Gorila - sim, porque Mico passou longe dali, acho que fugiu assustado de tão pequeno perto daquele monstro de situação que se apresentou!
Levantei, disse que estava tudo bem - como sempre - fui lá nos cafundós do Judas para pegar o outro pé do sapato, entrei no carro, chorando, não de dor, mas por causa do sapato e da roupa que se escangalharam, e fomos ao mercado. A dor começou a aumentar e o dorso do pé ficou roxo... E eu o tempo todo calçada. O sapato estava todo arranhado, e o meu macacão furado na perna... E eu de salto alto... Não tirei.
Pessoas amadas do meu coração... Quando eu tirei o sapato, quem foi que disse que eu consegui tocar o pé no chão????????
Resultado: Bota de gesso e muletas por dez dias!!! Não foi de todo ruim, é verdade. Tive atendimento preferencial na Receita Federal e no Banco por causa das muletas... E era motivo de riso para todos os que me conheciam porque já perguntavam: Onde foi que caiu dessa vez? Como foi?
Sim, porque minhas quedas sempre tem uma história por trás, ou uma posição vexatória como companhia, e geralmente acontecem em lugares bastante movimentados, tipo: Frente do prédio mais movimentado da Faculdade na hora da saída, escadas em frente de lojas chiquérrimas, saída do metrô no horário mais movimentado... E por aí vai.
Mandei arrumar o calçado. Ficou bom. Só que nunca mais consegui calçar. Dei para minha Zimã... A Xibibi... Sortuda. Ficou com meu sapato mais amado... E um dos mais confortáveis.
Quanto ao macacão, minha mãe fez uma mágica lá e conseguiu fazer o buraco do salto sumir!!! Tadinha ficou horas a fio lá tentando arrumar jeito de fazer com que eu usasse o macacão novamente. Santa Mãezinha!!! Deu certo!!! Até hoje eu uso minha roupa linda.
Mas, o fato é que, como eu não consegui mais calçar os benditos, eu tive de arrumar alternativas para a falta deles.
Nem posso descrever como minha vida ficou mais diversificada!!! Tirando o fato de que as muletas foram um episódio muito incômodo, elas acabaram por me forçar a adquirir novos pares. Mais bonitos até. Gastei muuuuuuuuito depois disto. A cada queda é um sapato que se vai. E muitos outros que compro. E fico extremamente feliz com cada novidade. Apesar de muitas vezes chorar de raiva por causa dos que se foram e do dinheiro que acabei perdendo, e por serem objetos, muitas vezes, de grande estima para mim por razões diversas.
Fazer o que? É a vida. Ela é assim.
Eu gosto, apesar de saber que é difícil, de ter em mente que é melhor passar por certos fatos na vida do que permanecer estagnada.
Não gosto do comodismo confortável. Não gosto. Apesar de ser bem agradável por um tempo, depois o comodismo se torna extremamente desconfortável. Eu pelo menos acho isso.
Afinal, temos de andar para frente. Lembra? A vida é uma estradinha que vai se desmanchando conforme andamos. Não dá para voltar.
E, por mais caros que sejam os calçados novos, prefiro pagar o preço, me endividar um pouco para poder, digamos assim, evoluir.
Os velhos sapatos terão serventia. Já diz o ditado: "Para cada pé cansado há um par de sapatos velhos".
Então, à minha Criaturinha Amiga: "Compra! Tananan... Compra!!!"
Na torcida comigo, gente!!!
Sapatos tem conserto, sapatos que não tem são jogados fora, sapatos bons que não nos cabem servem em alguém, sapatos podem ser bons e baratos, sapatos podem ser bons e caros, sapatos podem machucar, podem esquentar, podem refrescar, podem ser baratos e excelentes, ou uma bela de uma porcaria, podem ser lindos, de design, horríveis, conservadores, coloridérrimos...
Mas, qualquer que sejam os sapatos, eles foram feitos para nos ajudar a caminhar, e não para incomodar mais do que deveriam.
Vamos lá! Pague o preço, Criaturinha de Deus!!! O bolso fica vazio por um tempo, você vai se sacrificar, mas, ao cabo de tudo, vai ver que valeu a pena...

Outra vez, comigo: "Compra! Tananan... Compra!!!"

Beijos da Sapataria da Gabi!

16 comentários:

Anônimo disse...

Doe esse sapato para alguém.É muito feio.Quer ser um sapato chique mas não é.Se bem que combina bem contigo, é cheio de pretensão.

Anônimo disse...

A Criatura preferiu pegar os sapatos dele no conserto.Sapatos bons,macios,que combinam com tudo,levam ele pra todo lugar,além de bonitos, enfim, sapatos como não se fazem mais. Ah, sapatos feitos por Deus, sob medida.

Gabrielle Avelar disse...

Bom, acho que a única pretensão que tenho é ser feliz...
Quanto aos sapatos, engraçado como pensam que falo de uma situação, quando, na verdade estou falando de outra completamente diferente... Hehehehehe!!!
Divertido isso!!! Hehehehehehe!!!
Bom, que bom que Você - quem quer que seja - pegou os sapatos velhos na sapataria!!! Bom mesmo que tenham ficado bons novamente, e que tenham sido feitos sob medida!!!
Bom demais da conta, uai!!!

Anônimo disse...

Não, querida, não estou falando de mim, estou descalço. Falo do seu Amor. Você entendeu muito bem. Aceite que o sapato dele, pra ele, foi feito sob medida, por Deus. Não deseje o mal deles. Ele escolheu isso.

Gabrielle Avelar disse...

Mas quem disse que eu desejo o mal de quem quer que seja??????
Nunca disse isto, muito pelo contrário.
Eu tenho sofrido demais justamente por desejar só o melhor para ambos.
E isto, eu confesso, é muito egoísta. Sabe por que?
Porque, se ele for feliz isto me fará feliz também. Só por isso!!! Não é nada nobre, eu sei. Mas é assim que eu sinto. Na verdade, ela não me importa, absolutamente. Ela não faz muita diferença em minha vida, no sentido de que, como eu não a conheço, então, não tenho o que sentir. É insignificante, não no sentido de diminuir a sua importância, mas no sentido de não existir para a minha existência, sabe o que quero dizer?
Pensa que não me dói profundamente dizer isto?
Que eu não queria dizer que gostaria que tudo desse errado?
Não!!! Mas, se eu o visse infeliz ao meu lado eu morreria. E não é exagero o que digo. Eu morri por quase 10 anos. Numa morte lenta por não conseguir o que pretendi. Por isso quando meu casamento acabou a ruptura não foi tão traumática, porque já havia morte ali. Havia muito tempo.
Desta vez, entretanto, quando Meu Amado chegou e me disse que não estava feliz, imediatamente eu disse que partiria. E assim o fiz, sem reclamar, sem crivar de perguntas, ainda sabendo que havia razões por trás.
E a dor que eu senti quando fechei a porta atrás de mim foi a maior que já senti em toda a minha vida. Nunca passei por isto. E gostaria de não ter de passar mais.
Em suma: Quero tanto, mas tanto que o Bofe seja feliz. Não me importa com quem seja!!! De verdade.
Eu aprendi a amá-lo nos pequeninos aspectos cotidianos.
Sei cada um dos defeitinhos dele, conheço cada tipo de sorriso... Eu não me apaixonei à primeira vista. Eu aprendi a gostar, aprendi a amar... E não me importa o que dizem... Se foi pouco tempo ou não.
O que importa para mim é só que tudo o que quero, repito, é que ele seja feliz. Eu teria morrido por isso se fosse necessário.
De certa forma foi. Agora, estou tentando ressuscitar.
Quanto a essa história dos sapatos, não foi por causa dele que escrevi esse texto, não.
Mas, vendo bem, até que pode ser... Parece mesmo.
Então, falando como sapateira... Tomara que, de fato, ela seja o sapato feito sob medida para ele. Terá valido a pena o que eu passei.
E que eu encontre o meu par de sapatos também.
Estou Descalça da Silva... Mas, hein... Tá bom que só!!!
Hehehehehe!!!
Tá bom, eu sei que não é a confissão que você gostaria de ver. Mas, deixa isso para lá.
Beijos!

Renata disse...

"Compra! Tananan... Compra!!!" ^^
rsrsrsr

É Gabi, legaal a Postagem de hj!
Bom! Pensava q sou eu que caia
rsrsrs Eu caio! Mas não perco sapato não! rsrsr =D .. Realmente Ngm gosta de Tomar remedio eu tbm DETESTO..Mas fazeer o que né =/ rsrs..

beijoos! ;*

Gabrielle Avelar disse...

Jaca mole, sabe como é? Cai meeeeesmo!!! Hehehehehe!!!
Minhas quedas, entre meus amigos, já são proverbiais. Todo mundo sabe delas.
Ainda bem que nunca sofri nada mais sério que dessa vez do macacão. Graças a Deus!!!
Obrigada, bonequinha!!!
Seja muito bem-vinda!!!!

Anônimo disse...

Não pretendo arrancar nenhuma confissão,Amada,só que quando leio nas entrelinhas sinto o peso que você sente, só isso.Bom que você não sente raiva.Só não precisa exagerar na bondade, você é humana, sente!!!!Mas sempre Quem sabe o que dizer é você.E como estamos descalços poderíamos formar um bom par, Cinderela,rsrs.Se não houver uma fila de príncipes esperando a vez.

Gabrielle Avelar disse...

Hehehehehe!!! Não posso, infelizmente, ser chamada de Cinderela porque o tamanho do meu pé não deixa!!! Hehehehehe!!!
Bom, se há uma fila, eu sou muito lerda para percebê-la...
E, você é quem sabe se deve ou não deixar seu confortável anonimato para, enfim, eu saber quem é você, já que, ao que parece, se preocupa tanto comigo...
Descalços... Mas, me diz uma coisa, não é bom também? Hehehehehe!!! Também, uai!
A Fila, afinal, tem de andar!!!
Beijos!

Cristiana Prado design de eventos S.P.Brazil disse...

Olá!
Existem milhares de blogs por aí e considero todos especiais cada um a sua maneira. O seu tem algo a mais ! Movimento, alegria e inspiração. Além disso, tem smart posts e lindas dicas e imagens.Ficarei muito feliz se me seguir pelo GOOGLE FRIEND CONNECT, e eu te seguirei também.Espero sua visita
http://mogemug.blogspot.com

Adri Polo disse...

Gabi,linda! Vc não caia perto de mim.Sou daquelas que morrem de tanto rir se alguem leva um tombo ..Fico culpada ,mas não parao de rir...Meu amor,com certeza vc quer voar e isso é bom...aBRA AS ASAS....
Ah e não me dê motivos para comprar mais sapatos.Vc sabe que sou doentinha..kkk Não resisto! Um beijo amiga.E depois de ontem Agosto ficou especial pra mim e principalmente vc nasceu nesse mês!Beijocassssssssss

Gabrielle Avelar disse...

Pode rir... Eu deixo. Mesmo porque eu sou a primeira a cair na risada quando caio.
Claro que eu morro de tanto rir escondida, porque, na maioria das vezes, eu levanto mais do que depressa e saio andando (mancando) como se nada tivesse acontecido!Hehehehehehehehe!!!
Ah, menina! Compre mesmo seus sapatos! Afinal, é para viver que trabalhamos e não vivemos para trabalhar, não é mesmo? Se não pudermos usufruir de nosso trabalho, qual o sentido que ele teria?
Bem-vinda ao clube dos que gostam muito de agosto e seus ventos e seu céu aberto!!!
Beijo enorme!

Anônimo disse...

É bom dicar descalço de tempos em tempos, é verdade.Mas sem sofrer.Por enquanto não me sinto a vontade para me revelar.Mas estava só brincando,hehehe...Mas ninguém nunca disse o tamanho do pé da Cinderela,deixa de preconceito com o seu pé. Você não anda postando muito,isso é ruim.E nem disse onde é o novo trabalho.Beijo, Amada.

Gabrielle Avelar disse...

Huuuuuuuuuummmmmm... Estou gostando disso, sim. Eu nunca fui de ficar pulando de galho em galho, se é que me entende. Mas, gosto de estar com alguém.
Só que estou achando bom também... Não porque não tenha de dar satisfação, mas pelo fato de que estou descobrindo muito a respeito de mim mesma. Isso não tem preço. Assim, como diz minha amiga blogueira Adri, eu acho que quando vier o amor, estarei preparada, de fato.
Só tenho muito medo de não me dar mais tanto quanto antes. Mas, isso é algo para me preocupar depois. Não agora. Até porque nem sei se será assim também, não é mesmo?
Respeito sua individualidade. Se não quer se revelar, não se mostre... Nada melhor do que ser livre, não é?
Quanto aos meus pés, não é preconceito... É conceito mesmo!!! Hehehehehehehehe!!!
Quanto ao fato de estar postando menos, é só por causa da mudança de rotina mesmo. Não tenho tido muito tempo pensar. Infelizmente.
É bem mais tranquilo onde estou. Só que, como estou me ambientando, estou tendo de prestar mais atenção do que o normal às tarefas até que elas fiquem mais naturais.
Isso, sem falar na falta de tempo mesmo. Acontece que estou trabalhando uma hora a mais, além de tudo...
Mas, hein... Você não disse que me conhece? Como assim ainda não sabe onde trabalho???????????
Beijocas!!! ;)

Katinha disse...

Sapatos... jah tinha ouido falar que vc gosta bastante mesmo de uns...muitos! Rss... Passandu mais pra deixar minha marquinha, e desejar um bom restim de semana. Bjus Gabi!

Gabrielle Avelar disse...

Anônimo... Amado... Desculpe! Cheguei a publicar seu último comentário e eu o retirei. Porque você acabou por mencionar o meu local de trabalho... E há gente que lê meu Blog e que não gostaria que soubesse onde eu trabalho.
Bom, mas só para você saber, continuo no mesmo lugar, só que em outro "departamento", entendeu?
Estou bem mais escondida agora, é verdade, mas estou gostando muito também. Com saudades de todos, principalente da animação do povo!!!
Katinha linda... Sabe que gosto mais de roupas que de sapatos??? Pois é.
Eu não compro tantos sapatos assim, mas é que acabo por guardar os que não me machucam, o que me faz ter uma coleção bem razoável. Tenho calçados de 10 anos... Excelentes!!! Sempre bom ver você por aqui, lindinha!!!